DogSolution

Categoria: Daycare

Daycare DogSolution

Conviver com cães diminui em mais de 30% o risco de morte e de ter doenças do coração, diz estudo

DogSolution_001
Fonte g1 As doenças do coração são as que mais matam no Brasil e no mundo, mas um novo estudo mostra uma maneira de se proteger contra o problema: ter um cachorro! Segundo pesquisadores da Universidade de Uppsala, na Suécia, para pessoas que vivem sozinhas, a presença dos cães diminui em 33% as chances de morte e em 36% o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. A possibilidade desses indivíduos terem um infarto também cai 11%. Fizeram parte do levantamento 3,4 milhões de suecos, com idades entre 40 e 80 anos. O estudo acompanhou as pessoas durante 12 anos. A explicação para a longevidade está no apoio emocional que o cão promove e a motivação para a prática de atividade física. Além disso, os pets ajudam a diminuir o estresse dos seus donos. O educador físico Marcio Atala lembra da importância dessa amizade entre o cão e o dono, aliado ao exercício físico. Entre os benefícios estão a redução de morte por infarto, combate ao colesterol e pressão alta e a qualidade de vida. (Veja o vídeo na matéria original) Fonte G1 Postado por www.dogsolution.com.br | Muito mais que daycare  
Daycare DogSolution

Avaliação comportamental para um daycare profissional

DogSolution_001
Avaliação comportamental para um daycare profissional – por que é tão importante? E o que avaliamos nesse primeiro momento? ⠀ 👉 São três pontos principais: ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ 1 – Como esse cãozinho fica na ausência dos tutores; 2- Como o cão se comporta na presença de novas pessoas, no caso, nós, os monitores; 3- Como ele fica na presença de outros cães, uma vez que esse contato acontece de forma segura e gradual. 🤔 Após essa observação, o cão está apto para começar a frequentar o daycare de forma gradativa. Por quê? ⠀ 🐶 Um daycare tem que ser importante tanto para os novos quanto para os já frequentadores. 😊 Quanto mais soubermos do comportamento desse cão, mais seguro é para todo mundo! 🐾 Gostou da dica? Continue nos acompanhando e fique sempre por dentro do universo pet!
Daycare DogSolution

Por que um daycare existe?

DogSolution_001
E que tal bater um papo sobre o conceito de daycare? Para que um daycare existe? Vamos voltar um pouquinho na história. Lá, no passado, quando o cachorrinho tinha qualquer questão comportamental, era só adestrar que resolvia. Qualquer coisa, adestra que resolve. Depois virou castrar. Qualquer questão comportamental era só castrar o cachorro que resolvia. Mais recentemente, virou passeio. É só passear com o cachorro que resolve também. E, agora, a bola da vez é daycare. É só levar o cachorro para um daycare que todas as questões comportamentais dos cães vão desaparecer. Isso é verdade? Não! Daycare serve, sim, para uma série de questões comportamentais, mas não para todas. E tem questões comportamentais que jamais deveriam ser tratadas dentro de um ambiente daycare. Gostou deste texto? Continue acompanhando nosso blog para ter acesso a mais dicas sobre o mundo canino. Compartilhe com seus amigos se você acha que eles também vão gostar. Até a próxima!
Comportamento do cão Daycare DogSolution Metodologia Renato Zanetti

Você precisa de uma coleira com garras para treinar cães agressivos?

Renato Zanetti
FATO: NÃO EXISTE CACHORRO AGRESSIVO (e sim COMPORTAMENTO agressivo). O colar de garra é realmente necessário para treinar cães agressivos? Se a gente acreditar que a agressividade não é uma característica do cão, e sim do momento que ele está vivendo, você não mais precisará desta ferramenta. Essas coleiras de garra, com seus pinos machucando o pescoço do cão, causam dor. Causar dor para impedir que o cão tenha um comportamento agressivo não faz o menor sentido. Esse tipo de coleira deveria ser banida do mercado. Em breve, esse objeto pode ser considerado um instrumento de tortura e maus tratos aos animais. Da mesma forma que a palmatória foi banida e é proibida. As pesquisas sobre bem estar animal estão tão avançadas que é consenso pensar que todos nós temos que mudar as formas com as quais lidamos com os animais. É uma questão moral muito séria o fato de um adestrador querer treinar um cachorro utilizando uma ferramenta que perfura a pele do animal. Agressividade não é uma característica do cão. Eu não sou uma pessoa agressiva. Mas se eu precisar defender algum ente querido, vou demonstrar um comportamento agressivo. O mesmo acontece se eu perceber que minha vida está ameaçada. Cães funcionam da mesma forma. Um cão super dócil pode se tornar agressivo. Essa agressividade é demonstrada rosnando, mordendo etc. Agressividade é algo intencional e direcionado. Se soltarmos um cachorro dentro de uma sala cheia de mulheres, homens e crianças, ele pode ir até a criança de forma intencional. Outra situação muito comum é quando um cachorrinho está embaixo de uma mesa cheia de gente e alguém mexe o pé. Ele toma um susto e acaba mordendo alguém. Ele foi reativo, e não agressivo. REATIVIDADE É TER UMA ATITUDE UM POUCO MAIS EXAGERADA DO QUE O NORMAL. É DIFERENTE DE AGRESSIVIDADE. O cachorrinho poderia ter saído correndo, mas ao tomar o susto, decidiu morder. Como quando andamos na rua e alguém tenta roubar nossa bolsa. Podemos dar uma cotovelada, de forma reativa. A agressividade é um ato intencional. FATORES QUE INFLUENCIAM NO COMPORTAMENTO AGRESSIVO DE UM CACHORRO: Genética: Quais são as características de seus ancestrais? Um cão agressivo pode ter sido selecionado para brigar. Aprendizado: Como é o lugar onde ele vive? O seu entorno permite agressividade? Ambiente: Quais são os estímulos que os cães recebem do ambiente? Eles aprendem que, quanto mais feroz eles são, mais rápido eles saem de algumas situações. FATORES QUE INFLUENCIAM NO COMPORTAMENTO DÓCIL DE UM CACHORRO: Genética: Geneticamente selecionado, com atitude mais dócil. Aprendizado: Seu ambiente não possui nenhum estímulo aversivo. Ele não precisa se defender de nada. Ambiente: Ele aprende que, toda vez que está calmo e tranquilo, recebe uma recompensa. Se esse cachorro dócil for colocado no ambiente do cachorro agressivo, ele pode vir a demonstrar um comportamento mais feroz. Outra situação que torna o animal agressivo é aquela em que o cachorro está com dor, com displasia, ou quando o veterinário precisa dar vacina. Agressividade não é uma característica de raça. Docilidade também não é uma característica de raça. Comportamento é questão de genética, ambiente e aprendizagem. Em especial, não podemos ignorar ambiente e aprendizagem Assim, não se deve utilizar uma ferramenta – a coleira de garras – que perfura a pele do cachorro para tentar resolver uma questão que não é exclusiva da raça, mas que é do ambiente e da aprendizagem.   RECAPITULANDO: – Se você tem um cachorro com comportamentos reativos e agressivos, esqueça essa ferramenta e foque no ambiente e no aprendizado no qual esse cachorro está inserido. – Um cachorro que sente medo tem 100% chance de morder alguém. – Um animal com dor tem uma chance alta de morder alguém. – Um cão que toma um susto provavelmente vai morder alguém.   Direitos reservados: É permitida a reprodução, encaminhamento e uso não comercial na íntegra deste artigo, desde que citado o autor. Fonte: Renato Zanetti | www.renatozanetti.com.br
Comportamento do cão Daycare DogSolution Renato Zanetti

Genética e ambiente podem deixar cão a ‘cara’ do dono, diz especialista em comportamento

Renato Zanetti
Dono agitado, cão agitado. Dono sossegado, cão sossegado. O comportamento do tutor pode refletir nos pets. E há explicação para isso: genética, ambiente e aprendizado. Segundo Renato Zanetti, zootecnista e especialista em comportamento animal, esses três fatores determinam o temperamento do cachorro e fazem com ele fique a parecido do dono. “Um ambiente calmo e que reforce esta característica do cão promoverá um comportamento calmo. Em um ambiente caótico, no qual o caos seja recompensado, não há como esperar algo diferente dos cães. Como comparação, vamos imaginar o que acontece entre pessoas: em uma família com muitos gritos, sem controle e na qual ganha mais quem chora mais, são enormes as chances de termos crianças agitadas e manhosas. O oposto também é verdadeiro”, afirma. As semelhanças entre os animais e seus donos incluem reações, manias e expressões. “Quando afirmamos que ‘o cão é a cara do dono’ estamos nos referindo exclusivamente a questões comportamentais. Não há nenhuma evidência de que a semelhança seja física.” “Se, de uma ninhada, você escolher um cão esperto, destemido e brincalhão, consequentemente ele tem uma genética muito ativa. Se a sua família é animada, que sempre brinca e mantém interatividade constante com o pet, ele também terá o fator ambiente, que faz com que ele continue elétrico. Logo, o cachorro aprende que sempre que fizer uma ‘baguncinha’ ele terá interações e bons momentos com os membros da família”, explica. No entanto, Zanetti ressalta que esse mesmo cão geneticamente ativo pode ter outro tipo de comportamento, de acordo com ambiente e perfil do dono. “Imagine que este mesmo cão vá morar numa casa com um casal de idosos, com baixa interação física e pouca interatividade. Toda vez que o cão fica quietinho no colo e no sofá, enquanto o casal assiste à TV, por exemplo, ele recebe carinho e outros estímulos. O ambiente é o mais pacato possível, e o cão aprende que sempre há uma recompensa quando está calmo. Ele é o mesmo cão geneticamente ativo, mas em ambientes e aprendizagens diferentes”, diz. Foto: Ines Opifanti Direitos reservados: É permitida a reprodução, encaminhamento e uso não comercial na íntegra deste artigo, desde que citado o autor. Fonte: Renato Zanetti | www.renatozanetti.com.br