DogSolution

Categoria: Metodologia

Comportamento do cão DogSolution Metodologia Renato Zanetti

Foto de criança & cão?

DogSolution_001
Eu sei que pode parecer muito fofinhas aquelas fotos que a criança está abraçando o cachorro. Mas o que eu vejo, na maior parte das vezes é o cão emitindo sinais de que ele não está feliz. E um adulto, que deveria supervisionar a criança, não tendo a menor ideia do que esteja acontecendo. Se você já viu uma cena dessas, então este texto é para você! O meu recado: fique muito mais atento a situações assim. Jamais deixe uma criança junto a um cão sem supervisão e evite esses afagos muito calorosos entre uma criança e um cachorro. Se você tem informação e conhecimento sobre linguagem comportamental de cachorro, você pode se exceder um pouquinho mais e você vai reconhecer quando um cachorro não está confortável. Se você não entende nada de linguagem comportamental de cachorro, evite situação assim, para depois não falar que a culpa é do cachorro ou que o cachorro é mau. Gostou deste texto? Continue acompanhando nosso blog para ter mais dicas e compartilhe com seus amigos se você acha que eles também vão gostar. Até a próxima!
Comportamento do cão DogSolution Metodologia Renato Zanetti

Cachorro gordo? Problemas para o cão com sobrepeso.

DogSolution_001
Você adora cachorro gordinho, fofinho, todo redondinho? Esse excesso de gostosura pode ser considerado sobrepeso ou obesidade. Problema para o cão com sobrepeso ou obesidade Vai acarretar problemas de saúde e na longevidade do seu cão. Problemas, dentre outros, de: Coração; Pele; Articulação; Dificuldade maior na recuperação pós-cirúrgica. E você não quer isso. Um cão 10% acima do peso ideal já é considerado sobrepeso. 20%, obesidade. Por exemplo: um cachorrinho deveria ter 10kg, mas está com 11kg. Ele está com sobrepeso. Se ele está com 12kg, já é obeso. Apenas dois quilos a mais já são considerados obeso. Muito mais importante do que ter um cachorro que viva muito (que é isso o que você quer), é um cachorro que viva bem. Ao olhar para seu cão, você deve ter a percepção de que ele é magro. Pois, quando avaliamos saúde, peso certo significa bem-estar para o cão. Então, se ele estiver magrinho, vai no caminho! Se estiver gordinho, vamos deixá-lo com o peso. Gostou deste artigo? Inscreva-se em nossos canais para ter mais dicas e compartilhe com seus amigos se você acha que eles também vão gostar. Até a próxima!
Metodologia Renato Zanetti

Nunca deixe seu cão sozinho dentro do carro, mesmo que rapidinho!

DogSolution_001
A dica de hoje tem a ver com esta época do ano: verão, altas temperaturas de norte a sul do País. E um hábito que não pode ser comum entre os dog lovers é deixar o cachorrinho dentro do carro para fazer coisas rapidinhas fora do carro. O que acontece com essas saídas rapidinhas? A temperatura no interior do veículo aumenta 80% em um período de 30 minutos. Ou seja, se fora do carro estiver 35ºC, dentro do carro, em meia hora, a temperatura pode chegar próxima a 80ºC. Lembrando que os cães não têm glândulas sudoríparas como os seres humanos. Eles não suam como nós. Eles têm glândulas sudoríparas nas patas e trocam calor pela boca, pela língua. Braquicefálico sofre muito mais. Isso quer dizer que eles vão sofrer muito mais para termorregularem, para se ambientarem em um meio tão quente que é o carro. Então se você precisa fazer alguma coisa rapidinha, deixa o cachorro dentro de casa, no geladinho, com muita água à disposição e saia para fazer o que você precisa. Jamais deixe o seu cão dentro do carro. Gostou deste artigo? Continue acompanhando nosso blog para ter mais dicas e compartilhe com seus amigos se você acha que eles também vão gostar. Até a próxima!
Comportamento do cão Metodologia

Como se aproximar dos cães de forma correta

DogSolution_001
Neste artigo vamos falar sobre o relacionamento entre pessoas e cães que não se conhecem. Você já andou na rua e encontrou aquele cachorro superfofinho, bonitinho, delícia para abraçar? Temos certeza que sim! E o que você fez? Foi lá e deu um baita de um abraço no cachorro, né? Mas já passou pela sua cabeça que esse cachorrinho, talvez, não quisesse ser abraçado ou tocado? Acha essa pergunta esquisita? Mas o fato é que tem cachorro que não gosta de ser abraçado. Ou vai me dizer que você também gosta de sair abraçando todo mundo na rua? Tudo bem, tem pessoas que gostam. Outras preferem abraçar apenas amigos ou amigo de amigos etc. Cada um tem um jeito de ser, certo? Mas quem não se assustaria com uma pessoa desconhecida que surgisse do nada e quisesse nos abraçar? A princípio acharemos esquisito também! E os cachorros também são assim! Imagine ele numa boa passeando na praça, fazendo xixi, cheirando cada local e aparece um ser humano e abraça-o, começa a tocá-lo e ele nem entende o que está acontecendo. Do ponto de vista do cão essa ação toda é esquisita.   Então como posso fazer a aproximação correta de um cachorro? Está tudo bem você adorar cachorros. Está tudo bem ver um cachorro fofinho e querer abraçar. Mas vamos dar algumas dicas para fazer uma abordagem menos estranha para ele. Aproximação Aproxime-se a até mais ou menos um metro, um metro e meio de distância em relação a ele. E deixe que o cachorro se aproxime de você. Não é você que vai entrar no perímetro do cachorro, mas o cachorro que vai se aproximar no tempo dele. E, se ele fizer isso, você tem um ponto a favor.   Não dê a mão para o cachorro cheirar A segunda dica é não dar a mão para o cachorro cheirar ou na boca dele só porque você ouviu dizerem que o cachorro cheira primeiro as pessoas. Sim, é um fato. Mas desde que ele se aproxime das pessoas, e não o contrário.   Cuidado com movimentos bruscos Quando se abaixar, faça isso de uma forma muito cordial e lenta, para que você não emita nenhum sinal esquisito para o cão. A alteração brusca de movimento é ruim para ele. Se o cachorro é um pouco mais medroso, ele irá se afastar e você, assim, pensará que o problema é com você. Mas não é! O problema é com o cachorro, como o mundo dele mesmo. Pense numa criança. Você sai apertando a bochecha, pegando no colo ou abraçando todas as crianças que você vê na rua ou num restaurante, por exemplo? Seria algo esquisito, não? A mãe, no mínimo, acharia você uma pessoa meio maluca, estranha. Com o cachorro é muito parecido. Faça este teste. Deixe o cachorro no canto dele e você fica no seu canto. Se a alma de você se tocarem, faça carinho. Aí, sim, você pode abraçar, beijar e fazer o que você quiser. Sempre com a anuência, com a concordância do tutor, uma atitude é muito mais legal! Você vai sentir que realmente é uma abordagem muito mais calma e positiva para você e para o cão. Gostou deste artigo? Inscreva-se em nossos canais para ter mais dicas e compartilhe com seus amigos se você acha que eles também vão gostar. Tem muito mais cachorros querendo essa informação. Até a próxima!
Comportamento do cão DogSolution Metodologia

Compare seu cão apenas com ele mesmo

DogSolution_001
Todas as vezes que os cachorros apresentam algumas questões comportamentais, o caminho correto é a gente buscar um bom profissional comportamentalista, que você encontra em um day care, por exemplo. Entre os comportamentos citados podem estar: Puxar a guia; Pular na visita; Excesso de medo; Muita ansiedade. Esse profissional vai fazer uma série de treinamentos e utilizar protocolos de treinamento para tentar mudar esse perfil comportamental dos cães. E isso vai ser muito legal para o seu cãozinho! Mas qual é o grande abismo que alguns tutores caem? Quando a gente começa a comparar o nosso cachorro com o cachorro do vizinho. Não compare o seu cachorro com o do vizinho! Aquele cachorro do vizinho não necessariamente é o do vizinho propriamente dito. Pode ser, dentre outros: O nosso cachorro do passado; O estereótipo do cachorro feliz; O cachorro de um amigo; O cachorro de um parente. Ou seja, a gente compara o nosso cão, que está sob o treinamento comportamental, com outros cães que nunca apresentaram esses problemas comportamentais. E isso é um erro! Não compare o seu cão com outros cães. Sempre compare o seu cão com ele mesmo! Compare a evolução e a melhoria do seu cachorro com ele mesmo. Gostou dessas dicas? Compartilhe! Se quiser saber mais dicas e informações sobre cachorros e relacionamento de cachorro com pessoas e outras dicas, continue acompanhando nosso blog e nossos outros canais. Até a próxima!  
Comportamento do cão DogSolution Metodologia Renato Zanetti

Xixi e cocô no lugar certo: sua estratégia influencia o resultado

DogSolution_001
Quem tem ou teve ou pensa em ter um cachorro já passou ou vai passar por este problema:  fazer o cachorro fazer xixi e cocô no lugar certo. É algo que não tem jeito. Eles precisam fazer as necessidades deles todos os dias. Mas as pessoas acham que ensinar alguma coisa nova para o cachorro é uma coisa simples. É simples desde que o cachorro entenda o que ele tem que fazer. Sobre o xixi e o cocô, qual a grande questão? Não é em um final de semana que você vai ensinar o cachorro a acertar o lugar de fazer xixi e cocô! Se compararmos, por exemplo, quando a mãe decide tirar a fralda da criança, leva um tempo para a adaptação e a mãe fica sempre em alerta ensinando como fazer e o local certo de fazer. Queremos o mesmo com os cachorros. O problema é querer ensiná-lo apenas em um final de semana, sendo que criança, que tem habilidade cognitiva muito maior, demora em torno de seis meses. Para ajudar a não criar expectativas erradas e exacerbadas, separamos algumas dicas. Aqui envolve a expectativa das pessoas que têm cachorro um pouco exacerbada e errada.   5 dicas para ajudar o cachorro a fazer xixi e cocô no local certo 1. Diminua a expectativa em relação ao acerto O cachorro vai conseguir uma hora ou outra! Acredite! Ele só precisa de tempo e paciência investidos nele para que tudo saia como é esperado pelo dono.   2. Tenha uma estratégia É preciso encarar esse desafio com estratégia para obter o sucesso. Primeiramente designar qual é o lugar correto para fazer xixi e cocô. E ficar de olho se o cão está seguindo. Invista ao menos um mês de seu tempo e do tempo de seu animalzinho. Se forem precisos mais dias ou mais meses, continue a investir até que ele acerte em definitivo.   3. Tenha paciência O cachorro vai errar no começo e isso é um fato.   O mesmo acontece com as crianças que, como dissemos, têm mais habilidade cognitiva. Por que não aconteceria com os cães? Então é preciso paciência e tempo para esse momento.   4. Tenha foco As pessoas envolvidas com a educação do cachorrinho devem estar comprometidas com o resultado. Não adianta, em uma família de quatro pessoas, por exemplo, uma delas apenas se preocupar com essa questão do cachorro fazer xixi e cocô no lugar correto e as outras deixando apenas acontecer o acerto naturalmente. Assim você acaba por perder a oportunidade de recompensar seu cão. O grande segredo do acerto é o cachorro saber o que ele tem que fazer de certo, e não o que ele fez de errado. E isso nos leva à próxima dica.   5. Jamais puna se o cachorro fizer cocô ou xixi no lugar errado Se uma pessoa da família recompensa o seu animalzinho por fazer xixi e cocô no lugar certo, mas os outros membros punem quando ele faz em lugar errado, esse treinamento não se torna eficaz. Quando punimos um cachorro por fazer algo que do nosso ponto de vista está errado, ele fica confuso e não entende por que foi punido. Portanto, não puna o cachorro quando ele errar. O erro foi de acordo com o que você julgou estar errado. E não no ponto de vista dele. É preciso dedicação ao resultado para que dê certo e você alcançar sucesso nessa missão. Gostou dessas dicas? Compartilhe! Se quiser saber mais dicas e informações sobre cachorros e relacionamento de cachorro com pessoas e outras dicas, continue acompanhando nosso blog e nossos outros canais. Até a próxima!  
Comportamento do cão Daycare DogSolution Metodologia Renato Zanetti

Você precisa de uma coleira com garras para treinar cães agressivos?

Dog Solution
FATO: NÃO EXISTE CACHORRO AGRESSIVO (e sim COMPORTAMENTO agressivo). O colar de garra é realmente necessário para treinar cães agressivos? Se a gente acreditar que a agressividade não é uma característica do cão, e sim do momento que ele está vivendo, você não mais precisará desta ferramenta. Essas coleiras de garra, com seus pinos machucando o pescoço do cão, causam dor. Causar dor para impedir que o cão tenha um comportamento agressivo não faz o menor sentido. Esse tipo de coleira deveria ser banida do mercado. Em breve, esse objeto pode ser considerado um instrumento de tortura e maus tratos aos animais. Da mesma forma que a palmatória foi banida e é proibida. As pesquisas sobre bem estar animal estão tão avançadas que é consenso pensar que todos nós temos que mudar as formas com as quais lidamos com os animais. É uma questão moral muito séria o fato de um adestrador querer treinar um cachorro utilizando uma ferramenta que perfura a pele do animal. Agressividade não é uma característica do cão. Eu não sou uma pessoa agressiva. Mas se eu precisar defender algum ente querido, vou demonstrar um comportamento agressivo. O mesmo acontece se eu perceber que minha vida está ameaçada. Cães funcionam da mesma forma. Um cão super dócil pode se tornar agressivo. Essa agressividade é demonstrada rosnando, mordendo etc. Agressividade é algo intencional e direcionado. Se soltarmos um cachorro dentro de uma sala cheia de mulheres, homens e crianças, ele pode ir até a criança de forma intencional. Outra situação muito comum é quando um cachorrinho está embaixo de uma mesa cheia de gente e alguém mexe o pé. Ele toma um susto e acaba mordendo alguém. Ele foi reativo, e não agressivo. REATIVIDADE É TER UMA ATITUDE UM POUCO MAIS EXAGERADA DO QUE O NORMAL. É DIFERENTE DE AGRESSIVIDADE. O cachorrinho poderia ter saído correndo, mas ao tomar o susto, decidiu morder. Como quando andamos na rua e alguém tenta roubar nossa bolsa. Podemos dar uma cotovelada, de forma reativa. A agressividade é um ato intencional. FATORES QUE INFLUENCIAM NO COMPORTAMENTO AGRESSIVO DE UM CACHORRO: Genética: Quais são as características de seus ancestrais? Um cão agressivo pode ter sido selecionado para brigar. Aprendizado: Como é o lugar onde ele vive? O seu entorno permite agressividade? Ambiente: Quais são os estímulos que os cães recebem do ambiente? Eles aprendem que, quanto mais feroz eles são, mais rápido eles saem de algumas situações. FATORES QUE INFLUENCIAM NO COMPORTAMENTO DÓCIL DE UM CACHORRO: Genética: Geneticamente selecionado, com atitude mais dócil. Aprendizado: Seu ambiente não possui nenhum estímulo aversivo. Ele não precisa se defender de nada. Ambiente: Ele aprende que, toda vez que está calmo e tranquilo, recebe uma recompensa. Se esse cachorro dócil for colocado no ambiente do cachorro agressivo, ele pode vir a demonstrar um comportamento mais feroz. Outra situação que torna o animal agressivo é aquela em que o cachorro está com dor, com displasia, ou quando o veterinário precisa dar vacina. Agressividade não é uma característica de raça. Docilidade também não é uma característica de raça. Comportamento é questão de genética, ambiente e aprendizagem. Em especial, não podemos ignorar ambiente e aprendizagem Assim, não se deve utilizar uma ferramenta – a coleira de garras – que perfura a pele do cachorro para tentar resolver uma questão que não é exclusiva da raça, mas que é do ambiente e da aprendizagem.   RECAPITULANDO: – Se você tem um cachorro com comportamentos reativos e agressivos, esqueça essa ferramenta e foque no ambiente e no aprendizado no qual esse cachorro está inserido. – Um cachorro que sente medo tem 100% chance de morder alguém. – Um animal com dor tem uma chance alta de morder alguém. – Um cão que toma um susto provavelmente vai morder alguém.   Direitos reservados: É permitida a reprodução, encaminhamento e uso não comercial na íntegra deste artigo, desde que citado o autor. Fonte: Renato Zanetti | www.renatozanetti.com.br
Comportamento do cão DogSolution Metodologia Renato Zanetti

Como evitar que o cão destrua objetos pela casa?

Dog Solution
Roer objetos é um comportamento natural do cachorro. Como latir, correr, pular, fazer buraco no jardim etc. Existem dois cenários: um filhote que destróis objetos e um cão adulto que destrói objetos. Vamos primeiro falar do filhote. Seus dentinhos estão nascendo, e ele sente uma mistura de dor com cócegas. O que fazer com nosso filhote destruidor: – Dê brinquedos próprios para essa fase do cão, ou ele mesmo decidirá o que irá destruir. – Não deixe perto do filhotinho nada que ele não possa roer. – Se você tiver uma sala sem brinquedo algum, ele tem 100% de chance de errar e destruir um objeto que não deveria. – Dê atenção e brinque com o cachorro quando ele morder os objetos com os quais ele pode brincar. – Sempre supervisione a interação do seu filhote com o ambiente. – Não permita que o filhote morda sua mão, por mais divertido que isso possa ser. Isso é um grande erro! Ele crescerá acreditando que isso é um comportamento desejado. – Quando ele vier morder sua mão, tire-a da vista do cão e mostre um brinquedo. Esse objeto deve aparecer sempre antes dele ter a chance de morder sua mão. O que fazer com nosso cão adulto destruidor: – Lembrando: roer é algo natural do cão adulto também. Ele precisa ser ensinado sobre quais são os brinquedos e coisas que ele pode roer. – Enriqueça o ambiente com objetos com os quais ele possa brincar, como por exemplo, ossinhos de nylon, caixas de papelão, pedaços de coco verde etc. Dê uma chance do cão acertar. Dê atenção a ele quando ele brinca com esses objetos.   Recapitulando – Roer é um comportamento natural do cão, filhote ou adulto. – É nossa obrigação cuidar do manejo do ambiente para que o cachorro possa identificar o que ele pode e o que ele não pode fazer. – É possível ter cachorro feliz em uma casa sem objetos destruídos. – A consistência desse manejo ambiental é muito importante. Não será na primeira vez que esse treino vai funcionar. Repita todos os passos muitas vezes.   Direitos reservados: É permitida a reprodução, encaminhamento e uso não comercial na íntegra deste artigo, desde que citado o autor. Fonte: Renato Zanetti | www.renatozanetti.com.br
Comportamento do cão Metodologia Renato Zanetti

Você precisa gritar com seu cão para parecer valente?

Dog Solution
“Preciso mostrar quem manda nessa casa!” Mito: “o cão precisa ver o humano com o líder” Os gritos não demonstram dureza e liderança. Se você precisa gritar para liderar, você não é um líder. Os cães não nos identificam como um cachorro de duas pernas. Logo, você nunca será visto como o líder do “bando”. Se o seu cachorro responde aos seus gritos, é por medo. Isso é ruim. Se você precisa gritar para sua voz ser ouvida, é porque você falhou em buscar soluções harmoniosas. Gritar com um cachorro reforça comportamentos indesejáveis, ele acaba mandando em você. Vamos olhar do ponto de vista do cão. 80% do tempo você é legal com ele. Nos outros 20%, você dá broncas. Ele sente, então, que você é uma pessoa instável. Sabe aquele cara que fala “sou super bacana, mas não pise no meu pé”? E aquele seu amigo gente fina, mas que fica bravo quando o garçom demora para entregar o chopp no bar? E aquele outro que vive reclamando da música no restaurante e não consegue relaxar? Nenhum desses é um cara legal. Quem é super bacana, permanece sereno até quando pisam no seu pé. O mesmo acontece com as pessoas do seu trabalho. Seu chefe pode ser legal 90% do tempo, mas nos 10% que ele não é gente fina, ele te xinga e grita com você na frente dos outros funcionários. Como ficam suas emoções nesse momento? Você fica com receio de errar e de dar sua opinião. Qual é o ambiente de trabalho ideal? É aquele que você sabe exatamente o que esperar. É possível ter controle total do ambiente ou das pessoas? Não, pois as pessoas são seres humanos que podem errar eventualmente. Melancolia e nervosismo são emoções humanas. No entanto, a variação emocional não pode se tornar um padrão. Em um minuto estou bem, em outro estou mal. Isso não é bom. Imagine o impacto que esta variação emocional tem no seu cão. Hoje ele pulou em você, e você brigou com ele. Mas, estranho… ontem ele fez a mesma coisa e você não brigou! Ah, é porque hoje você está arrumado para sair. Pois é, ele não tem obrigação de entender isso. Tem hora que ele faz xixi no tapete, e nada acontece, pois ninguém viu. No minuto seguinte, só do cachorro olhar pro tapete, você grita com ele. O cachorro pensa “o meu tutor é louco”. Do ponto de vista do seu cão, você é instável emocionalmente. Ninguém quer conviver com uma pessoa assim. Seu cachorro não tem a opção de ir tomar cerveja com os amigos, para espairecer. Imagine como é estar em uma casa com um casal e filhos, onde todos querem ser os durões. Esse cachorro não sabe mais o que faz. Orelha para trás, cabeça baixa, se esconder, são sinais de um cachorro com medo, e não de um cachorro que responde positivamente a gritos. Se ele demonstrar um desses comportamentos, não significa que ele sabe que fez coisas erradas. Significa que você estressou seu cachorro. Se os gritos funcionassem, jamais ele repetiria os atos que geram os gritos. Mas o cachorro volta a fazer as mesmas coisas. Baseado em que falo isso? No meu relacionamento com minha cachorra e com os outros 40 cães que frequentam o Dog Solution. Lá, ninguém precisa fazer papel de durão.   Recapitulando: Gritos são sinais de instabilidade emocional, e não de liderança. Não é natural que cães sejam liderados por humanos. Gritos geram medo e não respeito ou aprendizado nos cães. É preciso buscar soluções harmoniosas.   Direitos reservados: É permitida a reprodução, encaminhamento e uso não comercial na íntegra deste artigo, desde que citado o autor. Fonte: Renato Zanetti | www.renatozanetti.com.br
Comportamento do cão DogSolution Metodologia Renato Zanetti

Mito ou verdade: como ficam os cães após a chegada de um bebê?

Dog Solution
Zootecnista e especialista em bem-estar animal dá dicas para ajudar os donos a agirem da melhor maneira para manter uma convivência saudável entre a criança e o pet. Há um novo membro na família e, com ele, toda a rotina mudou. E não à toa, porque um bebê precisa de atenção especial e cuidados. Quando temos um pet em casa, então, é melhor se preparar: as mudanças podem ser mais difíceis. É natural que nosso animal de estimação note as alterações em casa. Agora, por exemplo, ele sabe que você tem menos tempo e atenção para dar porque está dedicado ao recém-nascido. Então, mudanças em seu humor podem ocorrer: eles ficam carentes, ciumentos, depressivos ou, até mesmo, agressivos. Tudo isto, claro, depende do seu cão e da forma com que ele está sendo tratado. Para tirar dúvidas sobre essa nova fase, o zootecnista e especialista em bem-estar animal, Renato Zanetti, aponta quais são os mitos e verdades sobre esse tema e dá dicas para ajudar os donos a agirem da melhor maneira para manter uma convivência saudável entre a criança e o pet. Eles ficam ciumentos… Verdade. Zanetti explica que talvez o sentimento seja ciúme, mas o mais preciso seria dizer que o cachorro sente uma necessidade de ‘reter recursos’ – quer dizer, ele gosta de certos objetos e pessoas e, naturalmente, deseja que elas lhe estejam fazendo companhia e dando atenção. …e agressivos? Mito. Não é necessariamente verdadeiro que nossos pets fiquem tão ofendidos com a chegada de um novo membro que passem a nos atacar ou a reagir agressivamente à vida que estão levando. Caso os preparos da vinda do bebê não tenham sido os melhores, o cão pode, sim, ficar apreensivo, tenso e frustrado, sintomas confundidos com agressividade. Mas se este período for bem planejado, as chances disto ocorrer são menores – e é bem possível que nosso cão fique bem com esta transição. Carentes? Verdade. Ao dar conta que todos os cuidados estão voltados ao bebê, o cachorro pode exigir um pouco mais de atenção fazendo coisas típicas: latir, uivar, pular. Na maior parte das vezes, realmente dá certo. Eles sabem que há um ser novo entre nós? Verdade. Não adianta: não tem como nem por que esconder que a casa agora abriga um novo membro. Ao farejar o cheiro, ouvir os barulhos de choro e notar o comportamento dos pais, o cão sente que algo mudou no ambiente. O que fazer? Aja naturalmente, sem fingir que tudo está igual. Cães e bebês podem ser amigos? Verdade. Nada impede que um cão e um bebê tenham uma relação próxima. Mesmo após perder seu trono, o pet pode ter um excelente convívio com o recém-nascido. Aliás, isto é o mais frequente. “Há muitos mais relatos de amizade entre cães e filhos do que o contrário”, afirma Zanetti. O cão deve conhecer o bebê assim que ele chegar? Mito. Calma lá: se isto acontecer, ótimo, mas apenas se a situação estiver controlada. Caso a vida com o bebê ainda esteja um pouco caótica, não se precipite. Espere criar situações positivas entre o bebê e o cachorro. Sem os mimos, cachorros sofrem mais? Verdade. Após perder o status de filho único, o cão pode sofrer um pouco para se adaptar. E não porque seus donos não liguem mais para ele: é só pela razão de que, agora, eles têm de cuidar do bebê em tempo quase integral. Agora que já são amigos, crianças e cachorros podem ficar sozinhos? Mito. Não é aconselhável deixar seu bebê com o cão, mesmo que eles já tenham estabelecido um laço de amizade. Por suas ações imprevisíveis – desde puxar o cabelo até puxar as orelhas -, a criança pode irritar ou “testar” o cachorro a um ponto que ainda não havia sido levado. Meu cão tem que ser independente, e isso depende de mim? Verdade. Ensinar um cão a viver sozinho não quer dizer negligenciar cuidados a ele – ou muito menos que os donos não têm mais interesse sobre ele -, mas, sim, significa facilitar sua vida nos mais diferentes ambientes com outras pessoas. Com a jornada dedicada quase exclusivamente ao bebê (dar banho, dar comida, limpá-lo e passar todo o tempo necessário com ele), tornar seu cão autônomo é recomendado e depende, também, de você. A adaptação é melhor se o cão conhece as roupinhas e brinquedos do bebê? Verdade. Mostrar o carrinho e as roupas do bebê para que ele as cheire, além de deixar o cão chegue aos brinquedos e outros objetos da criança, são formas de fazer a curiosidade do pet diminuir. “É uma excelente atitude”, diz o médico. O cão deve se acostumar a ser tocado? Verdade. É bom que o cachorro esteja habituado a ser tocado, seja no pelo, nas orelhas, na pata ou no rosto. Isto porque, na fase de engatinhar e andar, mesmo em uma brincadeira e sem o objetivo de machucar o cão, o bebê pode tocar em alguma parte dele. Direitos reservados: É permitida a reprodução, encaminhamento e uso não comercial na íntegra deste artigo, desde que citado o autor. Fonte: Renato Zanetti | www.renatozanetti.com.br
Comportamento do cão DogSolution Metodologia Renato Zanetti

O que seu cão quer “dizer” quando te lambe, segue pela casa, etc…

Dog Solution
Como não falam, os cães usam o corpo para se comunicar. O zootecnista e especialista em comportamento animal Renato Zanetti explica que existem duas formas simples de perceber que o seu cachorro está contente em te ver: quando ele abana o rabo ou quando se aproxima voluntariamente de você. Contudo, não é possível afirmar com certeza o porquê dessas ações, já que, de acordo com o zootecnista, genética, ambiente e aprendizados são três fatores que influenciam diretamente no comportamento canino. Por outro lado, algumas atitudes típicas já são muito conhecidas por especialistas como Zanetti. Ele explica o que querem dizer as mais comuns: O que significa quando o cachorro… Te lambe O cachorro é um animal muito olfativo e consegue sentir o cheiro de seu dono à distância. Mesmo assim, quando está na dúvida se conhece ou não a pessoa, ele lambe para confirmar. “O lamber não necessariamente é afeto, é uma curiosidade”, comenta Zanetti. Outra possibilidade é que seu cãozinho esteja atrás de afeto. Quando ganhamos um “lambeijo”, é inevitável olhar e até falar com o animal. Se isso acontece repetidas vezes, o seu bicho de estimação aprende que basta ele te lamber para que você dê atenção a ele. “Tem cachorro que lambe o dono de forma compulsiva, é um comportamento aprendido porque ele aprendeu que quando ele faz isso, ganha alguma coisa, mesmo que seja só a atenção do dono”, explica o especialista. Olha fixamente nos seus olhos Você sabia que, para os cachorros, é muito recompensador quando o dono olha nos olhos deles? De acordo com o zootecnista, o olhar gera no pet a mesma descarga de hormônios que um carinho, ou seja, o fato de você olhar nos olhos do seu bichinho já é entendido por ele como sendo uma recompensa. Faz carinha de “cachorro abandonado” Se você não está falando, nem dando atenção para o seu cachorro e ele senta na sua frente com aquela carinha de cachorro abandonado é porque quer carinho. Isso porque ele aprendeu que, quando faz isso, é recompensado. Contudo, se ele faz esta carinha enquanto leva uma bronca ou quando você chega em casa muito irritado, é porque ele está pedindo trégua. De acordo com o especialista em comportamento animal, é como se ele quisesse dizer: “Por favor, não precisa brigar”. Fica perto de você Muitos cachorros gostam de ficar apoiados na perna do dono, inclusive pulando e arranhando. Se é o caso do seu pet, ele com certeza gosta de você, mas não é só isso. Os animais têm esse comportamento por vários motivos. Pode ser para pedir atenção, carinho e até colo. “Geralmente eles fazem isso quando já fizeram outras coisas e não surtiu efeito”, comenta o zootecnista. Pode ser também que ele tenha aprendido que, fazendo isso, vai haver uma recompensa. Por exemplo, você vai dar comida, levar passear, conversar, etc. Foge quando você aparece com a coleira Quando você coloca a coleira no seu cachorro, ele precisa estar feliz e associar isso a um passeio legal. Se o seu cachorro tentar escapar neste momento, é porque algo é ruim no passeio. Um motivo muito comum é o dono puxar bruscamente a coleira quando não quer que o cachorro se aproxime de um determinado lugar, o que é traumático para o animal. “O correto é o dono observar o local antes de se aproximar com o cachorro e mudar de direção caso não queira que o cão vá até lá, nunca puxar a guia”, ensina. Gritar e borrifar água para “educar”, de acordo com Zanetti, também são atitudes prejudiciais, porque fazem com que o cachorro perca a confiança que tem em você. Te segue o tempo todo pela casa Pode até parecer fofo, mas não é bom para o cachorro que ele te siga o tempo todo. É importante que ele seja independente e aprenda que não é ruim ficar sozinho de vez em quando, por exemplo, enquanto você trabalha. Pode ser que seja da personalidade do seu cão ser carente, mas também pode ser que ele faça isso porque sabe que vai ganhar alguma coisa, como um olhar, um toque, uma fala ou qualquer outro benefício. Como evitar essa mania? Para que o cachorro não aprenda desta forma, é importante ter alguns cuidados simples desde os primeiros meses: • Quando quiser saber onde ele está, vá atrás e procure-o em vez de gritar pelo nome dele. Quando encontrá-lo, faça um pouco de carinho. Isso ensina que ele pode ganhar carinho onde quer que esteja e que não precisa te seguir para isso acontecer. • Outro cuidado é deixar o potinho de comida dele em um local longe da mesa em que você come, para que ele coma sozinho. • Para que ele aprenda que também pode ser legal ficar sozinho, espalhe um pouquinho de ração pelos cômodos da casa para ele procurar os grãos de ração quando você sair. • Outra opção é oferecer um brinquedo que ele só ganhe quando estiver sozinho – como aqueles acessórios de borracha que liberam ração conforme o cachorro brinca com eles. Dorme sobre as suas coisas Você não pode tirar os chinelos que o seu cachorro já corre para deitar em cima deles? Este é um bom sinal. Deitar sobre mochilas e roupas do dono mostra que ele se sente confortável e seguro para dormir ali e que gosta de sentir o seu cheiro. E caso o seu cachorro decida fazer xixi sobre o seu travesseiro ou a sua cama, não entenda isso como vingança. “Quando o cachorro faz xixi, está querendo demostrar que sente como se aquele espaço fosse dele também e não faz isso para te provocar, pelo contrário, ele acha que está deixando o cheirinho dele ali”, explica o especialista. Leva o brinquedo até você Se o seu cachorro te recepciona na porta sempre com um brinquedo na boca, quer dizer que ele estava aguardando ansioso pela sua chegada e que por isso já até se antecipou para vocês brincarem. Não liga para um presente que você deu Claro que eles gostam de brincar, mas se você der um brinquedo, uma roupa ou uma cama nova para ele, o seu cãozinho não vai ver isso como uma recompensa porque não entende o intuito, já que eles não dão valor para coisas materiais. Mas se você elogiá-lo, olhar para ele ou fizer carinho, conseguirá provocar um efeito muito mais positivo nele. Cachorros gostam mais de elogios do que de presentes. Fica do seu lado quando você está triste Os cachorros não entendem que estamos tristes porque conhecem nossos sentimentos, mas sim por causa da nossa linguagem
Comportamento do cão DogSolution Metodologia Renato Zanetti

Tédio e solidão podem entristecer cães em casa. Veja o que fazer pra evitar

Dog Solution
Com o excesso de compromissos e a vida agitada nas grandes cidades, é cada vez mais comum os cães passarem longos períodos sozinhos em locais fechados, sobretudo em apartamentos. Só que como os humanos, esses animais também precisam de entretenimento para se sentir bem. “Mais do que um desconforto, o tédio é um estado emocional perigoso, que pode levar o animal a problemas psicológicos, comportamentais e de saúde”, alerta a médica-veterinária Adriane Tomimassu. Segundo ela, proporcionar diversão para o cão é parte dos cuidados básicos para ter um animal saudável e feliz. “Exercícios, brincadeiras e atividades regulares são quase tão fundamentais para um cachorro quanto água e ração”, acrescenta. Os veterinários normalmente recomendam não deixar um cão sozinho em um ambiente desestimulante por mais de quatro horas. Eles se baseiam em estudos como a pesquisa da Universidade de Ciências Agrônomas da Suécia publicada em 2010 e que identificou alterações comportamentais nos animais após esse período de ausência dos seus tutores. “Mas é difícil determinar um tempo específico que um cão pode ficar sozinho porque isso depende de cada indivíduo”, diz Tomimassu. Ela lembra que há cães com personalidade e tolerância ao tédio diferentes. Há desde os mais independentes até os que sofrem com a ansiedade da separação. “Mas independente da personalidade, os cães precisam se ocupar, seja com exercícios físicos, seja com desafios mentais”, afirma o zootecnista especializado em comportamento canino, Renato Zanetti. “Muitas vezes nossos cães passam mais tempo em casa do que nós mesmos. Por que não deixá-la mais interessante para eles?”, questiona a adestradora da equipe Cão Cidadão, Joilva Duarte. Ela ressalta que mudanças simples no ambiente podem diminuir a monotonia. Isso vale para todas as raças, mas é interessante prestar atenção no tipo de entretenimento que o seu bichinho prefere. “Um terrier, por exemplo, vai adorar brincar de caça com a ração. Já um shih-tzu talvez prefira interagir com brinquedos”, diz Duarte. Dicas para livrar do tédio 1. Dê ao cão coisas para brincar. Ofereça brinquedos interativos, como quebra-cabeças com petiscos. Para manter o ar de novidade, faça rodício entre os brinquedos. 2. Passeie diariamente com seu cão. Se não puder fazer isso, considere contratar um passeador ou creche. 3. Permita acesso a janelas e portões de onde o animal possa observar a rua, mas sempre com segurança. 4. Seu cão tem um lugar predileto na casa? Coloque algum obstáculo para dificultar seu acesso e fazer com que ele desenvolva uma nova forma de chegar até lá. A ideia é dificultar, não impedir. 5. Tenha comedouros diferenciados que ofereçam desafios. 6. Se puder, considere a possibilidade de adotar um companheiro para seu pet. Com boa companhia, todo lugar fica mais interessante. 7. Leve aromas diferentes para casa criando uma mini horta com ervas como manjericão, hortelã e erva-doce. Novos cheiros e sabores estimulam os sentidos. Vida modorrenta Para saber se seu cachorro está entediado basta prestar atenção a seu comportamento. “Cães saudáveis têm comportamentos próprios da sua espécie. Eles correm, brincam, farejam, interagem com o ambiente e são curiosos com as pessoas e outros bichos. Qualquer variação nesses comportamentos pode sugerir que algo não vai bem”, destaca Renato Zanetti. Carência insaciável, sono excessivo e alterações no apetite são sintomas comuns em cães entediados. Outros indicadores são latir insistentemente quando sozinho (a ponto de incomodar os vizinhos) e comportamentos compulsivos, como lamber excessivamente, andar ou correr em círculos. A manifestação de um ou outro sintoma dessa lista pode ser o bastante para detectar que o cão está entediado. Mas também pode ser sinal de algum problema de saúde. Por isso, antes de tudo, vale procurar um veterinário para descartar a possibilidade de doenças. Direitos reservados: É permitida a reprodução, encaminhamento e uso não comercial na íntegra deste artigo, desde que citado o autor. Fonte: Renato Zanetti | www.renatozanetti.com.br
DogSolution Metodologia Renato Zanetti

Dicas para aproveitar o verão com os cães de forma saudável

Dog Solution
Com o verão chegam as altas temperaturas e a necessidade de ter mais cuidados com os cães, afinal, eles sentem muito calor e correm risco de sofrer com a hipertermia . Mesmo assim, a época ainda é ideal para praticar atividades ao ar livre com o seu cachorrinho de estimação. Passeios no parque, na rua, no quintal é sempre uma boa pedida para garantir o bem dele. O verão é uma ótima época para passear com cachorro ao ar livre Se tudo for bem planejado e praticado da maneira correta, só haverá diversão. Pensando nisso, o zootecnista e especialista em comportamento animal, Renato Zanetti listou algumas dicas para que possa se divertir muito com o seu bichinho no verão . Confira: Preocupação com o sol A principal e que a maior parte das pessoas já sabem é não sair de casa em horários de sol forte (entre 10h e 16h) quando, tanto o ambiente quanto o chão, estão muito quentes. Nestes horários, o risco de o cão queimar as patas (coxim) ao andar no asfalto ou calçada (mesmo para curtos passeios) é bem grande. Sem contar que o animal é atingido tanto pelo raio de sol que incide sobre ele, como o que reflete no chão. Vale lembrar que cães com focinho curto sofrem ainda mais com os dias quentes, já que possui uma troca de ar para regular a temperatura prejudicada pela anatomia. Passeie apenas nos horários mais frescos. Garantir água fresca em abundância, tanto durante os passeios, quanto em casa é essencial. Mar e piscina É importante ter muito cuidado com as primeiras vezes do cão em contato com o mar, pois ele pode se sentir desconfortável com a novidade (como barulho, movimentação das ondas, espuma da água, muitas pessoas por perto). Nunca force o animal a nadar por longas distâncias se ele não estiver acostumado. Atividade física num novo ambiente precisa ser prazerosa e, não, um suplício. Na piscina, garanta que ele consiga sair da água para evitar problemas. Certifique-se de há escada ou rampa de fácil e livre acesso. Mesmo assim, um adulto deve estar sempre por perto. O acúmulo de sal do mar ou cloro da piscina pode ser irritante à pele do seu cão. Assim, o excesso deve ser removido com água doce. Seque o animal após atividades aquáticas para evitar fungos e outras dermatites. Areia de praia, grama e terra Escove diariamente o pelo do seu cão quando ele tiver contato com areia e terra. O acúmulo de areia da praia ou terra do campo na pele pode ser irritante e seu excesso precisa ser removido. Pelos e pele Atividades ao ar livre expõem o cão ao vento, água do mar, piscina, areia, grama, etc. Desta forma, é importante ter atenção especial para minimizar os efeitos do acúmulo de sujeira. Assim, dê banhos regulares e realize escovação diária. Pelos longos merecem cuidados maiores, pois o risco de embaraçar é maior se comparado com os pelos curtos. Mas ambos os casos merecem atenção redobrada após atividades ao ar livre. Sempre proteja seu animal com protetor solar em áreas claras ou sem pigmentação. O risco de câncer de pele é iminente. Doenças típicas do verão A atenção deve ser especial à prevenção contra pulgas e carrapatos, pois áreas ao ar livre podem receber outros cães e outras espécies (como cavalos ou animais nativos, por exemplo) aumentando-se o risco de infestação. Observe casos de diarreia e vômitos (provenientes de viroses, ou por ingestão de água do mar ou da piscina, com cloro). Ambos devem ser tratados pelo médico veterinário. Viagem de carro Em qualquer estação, mas pior ainda no verão, não deixe seu cão dentro do carro com os vidros fechados e sem ventilação. Aquela rápida “corridinha” até o mercado pode ser fatal. O cão fica sem oxigênio, o ambiente externo produz calor e a consequência, caso a situação fique crítica dentro do carro, é fatal. Em viagens longas, vale realizar paradas periódicas para seu amigo esticar as pernas, hidratar-se e fazer suas necessidades. Apoio veterinário Antes de pegar a estrada com seu cão, leve-o para uma consulta com seu médico veterinário de confiança. Algumas regiões do país exigem que o animal esteja protegido contra certas doenças. Aproveite esta consulta veterinária, atualize a carteirinha de vacinação do seu amigo e viaje com segurança neste verão. Direitos reservados: É permitida a reprodução, encaminhamento e uso não comercial na íntegra deste artigo, desde que citado o autor. Fonte: Renato Zanetti | www.renatozanetti.com.br
Comportamento do cão Metodologia Renato Zanetti

Comportamento dos cães é mais influenciado pelos donos do que pela genética, afirma especialista

Dog Solution
‘Cara de um, focinho do outro’? Entenda as razões por trás desse ditado popular Muitas vezes, na relação entre donos e seus cães, é comum ouvir: “cara de um, focinho do outro”. Pelo menos do ponto de vista comportamental, é quase isso. Estudos mostram que a maior parte das influências sobre o comportamento dos cachorros domésticos vem dos seus donos. De acordo com um especialista em comportamento animal, o zootecnista Renato Zanetti, existem três motivos científicos que explicam as atitudes e costumes de cães domésticos – destes, dois são influenciados diretamente pelos donos. Os motivos são a genética, o ambiente e o aprendizado. Ou seja, dos três, apenas a genética, claro, não sofre influência dos donos. Segundo Zanetti, mesmo que um cão tenha uma personalidade mais agitada, por exemplo, os hábitos dos seus donos irão influenciar no comportamento do animal no convívio diário. “Digamos que, de uma ninhada, o seu cachorro é o mais agitado: não há o que fazer, essa é uma característica dele que não vai mudar. Mas se a sua casa é calma, o seu cachorro vai aprender que toda vez que ele ganha carinho ele deve ficar mais sossegado”. Assim, explica o especialista, a influência sobre o animal é de “dois para um” – duas características impostas pelos donos, o ambiente e o aprendizado, contra a genética. “É por isso que a gente brinca que o cachorro é a cara do dono”, elucida. Pela internet, existem vários estudos, fotos e até mesmo memes de cães que são, além de comportamental, fisicamente semelhantes aos seus donos. De acordo com Zanetti, essa semelhança na verdade não é adquirida, e acontece no momento de compra ou adoção do cachorro. “Isso tem, na verdade, a ver com a sua predisposição para escolher determinadas raças, que sejam semelhantes a você próprio”. Direitos reservados: É permitida a reprodução, encaminhamento e uso não comercial na íntegra deste artigo, desde que citado o autor. Fonte: Renato Zanetti | www.renatozanetti.com.br
DogSolution Metodologia Renato Zanetti

Por um mundo com menos obedientes-objetos-comandados e mais cães-amigos

Dog Solution
Durante anos, a palmatória foi instrumento persuasivo utilizado por inúmeros educadores, escolas e sistemas de ensino. Artefato de madeira, geralmente formado por um círculo com uma haste, tinha como objetivo castigar Dog alunos indisciplinados e acelerar o aprendizado. O uso de tal ferramenta foi abolido tanto no Brasil, quanto em boa parte do mundo. Mais além, utilizar qualquer punição física no âmbito escolar passou a ser considerado crime. Na seara doméstica, processo semelhante tem sido observado. No Brasil, desde 2014 vigora Lei que proíbe pais de aplicar castigo físico ou tratamento cruel ou degradante para educar filhos. Conhecida informalmente como Lei da Palmada, ela determina que pais que agredirem filhos devem receber orientação, tratamento psicológico ou psiquiátrico, além de advertência. Ou seja, devem buscar outro modo de educar seus filhos. Longe de contestar o mérito da Lei, está havendo uma mudança na forma como as pessoas se relacionam, aprendem e educam. Via Lei, via bom senso, pouco importa. O fato é que não é mais tolerável agredir (física ou moralmente) para educar, pois formas positivas e construtivas foram identificadas e são aplicadas com sucesso. Migrando para o mundo animal, movimento semelhante tem sido observado. Métodos aversivos de relacionamento e punições positivas, gradualmente, têm sido substituídos por formas agradáveis de educação. O uso de choque, tranco, grito e formas variadas de intimidação com objetivo de se obter uma resposta comportamental têm se tornado tão bizarros quanto à palmatória do século passado. Falando de cães, não faz sentido se valer de métodos que se opõem a um relacionamento baseado na confiança, se o desejo é educar, ensinar, envolver, conquistar e cuidar do nosso animal-melhor-amigo. A respeito da relação histórica que desenvolvemos com os cães, que tal observarmos atitudes rotineiras, mas com um viés mais amigável? Podemos começar questionando 3 expressões de uso comum, mas com sentido totalmente oposto ao desejado pelas pessoas: 1. Dono 2. Comando 3. Obediência Dono – Quando alguém se refere ao vínculo entre pessoas e cães, diz-se que somos os donos dos cães, não se dando conta que objetos, coisas e ferramentas é que estão sujeitos a donos. Parece pouco, mas tratar a relação desta forma imprime um sentimento de autoridade sobre o próximo. Somos donos dos nossos amigos? Comando – Ao pedido para o cão fazer algo (sentar-se, por exemplo), dá-se o nome de comando. Será que o cão espera de nós comandos? Pior é que, na maioria das vezes, este ‘comando’ é envolto por um tom duro e autoritário visando acato imediato. Não seria mais afável uma solicitação, um pedido para fazer algo que gerasse satisfação ao cão? Obediência – Do cão, espera-se obediência, correto? O Dicionário Michaelis define obediência como ‘submissão à autoridade legítima’. Antes de se fomentar uma relação de autoridade e submissão (neste contexto, nada relacionado à errônea ideia de submissão como oposto à dominância), deve-se estabelecer os critérios desejáveis para uma convivência agradável e duradoura. Não é isso o que fazemos com amigos! Em caso de sucesso, sequer é necessário esperar obediência. Colhe-se, apenas, o resultado de um bom convívio sob o mesmo ambiente. Grandes alterações em padrões de comportamento vêm de pequenas mudanças. Rever os princípios de como pessoas se relacionam com cães pode resultar numa forma mais harmoniosa de convívio, excluindo-se a relação de posse, força e imposição de vontades. Ao invés de obedientes-objetos-comandados, teremos a companhia de cães-amigos. Direitos reservados: É permitida a reprodução, encaminhamento e uso não comercial na íntegra deste artigo, desde que citado o autor. Fonte: Renato Zanetti | www.renatozanetti.com.br